RSS

O perigo da Televisão: A profecia de 1957

23 maio

A visão Profética e Madura da nossa Igreja Católica Apostólica Romana.

Decidi aqui neste artigo não escrever muitas coisas da minha própria opinião sobre a Televisão, ou coisas relacionadas do tipo. Mas me encantei ao ler o Documento da nossa Igreja que é uma Carta Encíclica sobre a Cinematografia, a Rádio e a Televisão. Escrita pelo então Papa Pio XII no ano de 1957.

O Perigo da Televisao

Foi um documento na qual foi escrito em uma epoca que estavam vivendo o inicio da descoberta da Televisão no mundo inteiro. Não tinham referências certas e opiniões com bases sólidas para poderem dar dados positivos ou negativos sobre ela; mas a visão profética do Papa Pio XII foi de tamanha Sabedoria e Inspiração, que me fez colocar aqui somente um pequeno trecho deste documento que fala sobre alguns Problemas Específicos que a televisão poderia gerar…
Não me prendi a uma ordem exata da colocação destes trechos do documento, e as comentários em cor AZUL serão meus.
Quem quiser conferir este documento por inteiro é somente clicar no link abaixo:

Carta Encíclica sobre a Cinematografia, a Rádio e a Televisão  –  MIRANDA PRORSUS

Segue os trechos da Carta:

Problemas Específicos da Televisão:

“A televisão, além dos aspectos comuns como as duas precedentes técnicas de difusão (Radio e Cinema), possui também características próprias. Permite, com efeito, assistir de forma simultâneamente auditiva e visiva, a acontecimentos realizados a distância e no próprio instante em que acontecem, com aquela sugestividade que se aproxima do contacto pessoal e cuja feição e forma imediata é aumentada pela sensação de intimidade e confiança própria da vida familiar.” Percebamos aqui que para eles é algo muito novo o que hoje chamamos de transmissão AO VIVO, e que aqui já se abre um ponto de muita importância a ser observado por nós: A Televisão aproxima de certa forma este contato pessoal e aumenta a sensação de intimidade e confiança, que é algo próprio da VIDA FAMILIAR…

“Na maior consideração se deve ter, portanto, este carácter de sugestividade das transmissões televisivas na intimidade do santuário da família, onde será incalculável o seu influxo na formação da vida espiritual, intelectual e moral dos membros da mesma, e, sobretudo, dos filhos, que hão-de ser dominados, inevitàvelmente, pela fascinação da nova técnica.” O Papa já previa que por causa desta sensação de intimidade e confiança que a televisão transmitia, era certo que isso iria invadir o centro da família, e que se o conteúdo não fosse muito bem filtrado isso poderia atingir de frente a educação e a formação de todos os membros da família! Será que isso tem algo relacionado aos dias de hoje?

O Papa continua: “Uma pequena porção de fermento corrompe toda a massa”. (53) Se na vida física dos jovens um gérmen de infecção pode impedir o desenvolvimento normal do corpo; quanto mais, um elemento permanentemente negativo na educação poderá comprometer o equilíbrio espiritual e o desenvolvimento moral! E quem não sabe como, tantas vezes, a própria criança que resiste ao contágio de uma doença na rua, se mostra falta de resistência se a fonte do contágio se encontra na própria casa?” Está ai o que vemos nos dias de hoje! Tantos jovens, crianças e famílias num todo, sendo contaminados por um mal que esta sendo gerado dentro da própria casa, dentro da própria família! Quantos e quantos programas de televisão tem entrado em nossas casas, causando maus irreversíveis para nossos filhos e familiares, e não tomamos nenhuma atitude!

“A santidade da família não pode ser objecto de compromissos, e a Igreja não se cansará, como é seu pleno direito e dever, de empenhar todas as forças para que este santuário não venha a ser profanado pelo mau uso da televisão.” E a Igreja não tem se calado mesmo diante de tantas coisas ruins adentrando em nossos lares!

“Com a grande vantagem de entreter mais fàcilmente, adentro das paredes domésticas, grandes e pequenos, a televisão pode contribuir para reforçar os liames do amor e da fidelidade na família, mas sempre com a condição de não vir a prejudicar as mesmas virtudes da fidelidade, da pureza e do amor.”

“As dificuldades são reais, mas a solução delas não pode ser adiada para período ulterior, quando a falta de discrição e de prudência, no uso da televisão, tiver já causado gravíssimos danos individuais e sociais, – danos hoje, porventura, ainda difícilmente avaliáveis.” E como já causou grandes males!

“Para que essa solução se possa obter ao mesmo tempo que se vai introduzindo em cada país a televisão, será preciso, primeiro que tudo, levar a cabo esforço intenso na preparação de programas que correspondam às exigências morais, psicológicas e técnicas. Convidamos, por isso, os homens católicos de cultura, ciência e arte, e, em primeiro lugar, o clero e as Ordens e Congregações Religiosas, a procurar dominar a nova técnica e prestar a sua colaboração a fim de que a televisão possa aproveitar as riquezas espirituais do passado e as de todo o autêntico progresso.” A Canção Nova esta cada vez mais se aperfeiçoando para obedecer esta voz da Igreja!

“Será, além disso, preciso que os responsáveis dos programas televisivos, não só respeitem os princípios religiosos e morais, mas tenham em conta o perigo que transmissões destinadas a adultos podem oferecer aos jovens. Noutros campos, como por exemplo sucede no cinema e no teatro, os jovens, na maioria dos países civilizados, estão protegido com especiais medidas preventivas, contra os espectáculos inconvenientes. Lògicamente, e com maior razão, devem também ser asseguradas as vantagens de uma apurada vigilância no respeitante à televisão.”

“Todavia, nem mesmo a boa vontade e a conscienciosa actividade profissional de quem transmite, são suficientes para assegurarem o pleno proveito da maravilhosa técnica da pequena tela dum aparelho televisivo, nem suficientes também para afastar todo o perigo. A vigilância prudente e avisada de quem recebe em sua casa a transmissão é insubstituível. A moderação no uso da televisão, a admissão prudente dos filhos a presenciar programas segundo a sua idade, a formação do carácter e do recto juízo acerca dos espectáculos vistos e, finalmente, o afastá-los dos programas inconvenientes, incumbem, como grave dever de consciência aos pais e aos educadores. Bem sabemos quefi especialmente este último ponto, poderá, criar situações delicadas e difíceis, e o sentido pedagógico muitas vezes exigirá dos pais darem bom exemplo também com o sacrifício pessoal em renunciarem a determinados programas. Mas seria porventura demasiado pedir aos pais um sacrifício, quando está em jogo o bem supremo dos filhos?”Que sabedoria! Será que somos capazes de fazer isso que o Papa nos pediu? Será que por causa de nossos filhos somos capazes de deixar de assistir programas de Televisão que são tao prejudiciais aos nossos filhos, mas que por vezes são fontes de diversão, entretenimento para nós pais?! É seu DEVER pai e mãe decidir o que seu filho vai assistir na TV, mas é seu DEVER o Sacrifício de deixar de assistir para que o seu filho seja beneficiado por isso! É muito pedir esse sacrifício a você pai e a você mãe, por um bem ao seu próprio filho?!

“Será, portanto, “mais que necessário e urgente – como escrevemos aos Bispos da Itália – formar nos fiéis uma consciência reta dos deveres cristãos acerca do uso da televisão”, (54) para que esta não sirva nunca para difundir o erro e o mal, mas se torne “instrumento de informação, de formação e de transformação”. (FIM)

A televisão não pode ser para nós um meio de perdição! É preciso começarmos a partir de agora a nos revermos novamente quanto ao que assistimos pela Televisão! Esse documento na qual a televisão estava ainda nascendo foi tão concreto quanto aos males que a mesma poderia nos trazer se não tomássemos os devidos cuidados… Mas foi um documento profético, pois houveram nestes anos todos muitos descuidos, e as consequências do quanto a televisão tem influenciado toda uma geração está ai à nossa frente!

Podemos mudar tudo isso?!
É claro que podemos! Mas precisa começar por nós! E o Papa mesmo ensina que será necessário por vezes o sacrifício pessoal de deixarmos de lado certos programas para o bem de nossa família e nossos filhos! Você esta disposto à estes sacrifício?

E a vai a minha opinião pessoal: O que estes programas

que se passam na TV em especial de finais de semana (Sábado e Domingo) contribuem para a formação da Família? O que estes programas acrescentam? O que estas novelas que atualmente estão passando acrescentam para a formação dos nossos filhos e para o nosso crescimento?! Traição, roubo, pornografia, mentira, sensualidade, inversão de papéis no centro da família, má orientação sexual e tudo o mais que de ruim se pode oferecer…

Portanto para finalizar, é necessário uma revisão de vida, se queremos que nossos filhos e nossas famílias não se transformem cada vez mais naquilo que estão vendo pela Televisão!

Deus abençoe você!

* Acesse o nosso mais NOVO CANAL de PERGUNTAS e RESPOSTAS e fique por dentro das questões que causam mais dúvidas relacionadas ao TEMA de Cura e Libertação!

Leia também:

1. Quando caminhar já me custa…

2. Os pecados dos nossos pensamentos I

3. Quem é Padre Gabriele Amorth?

Danilo Gesualdo, é membro da Comunidade Canção Nova e atua junto ao Ministério de Cura e Libertação, residindo em nossa sede em Cachoeira Paulista.
Para contato me envie um e-mail:
livresdetodomal@cancaonova.comSaiba mais sobre: Danilo Gesualdo ou siga – o no Twitter (danilogesualdo)

Anúncios
 
1 comentário

Publicado por em 23 23UTC maio 23UTC 2012 em Geral

 

Tags: , , ,

Uma resposta para “O perigo da Televisão: A profecia de 1957

  1. Laura DGonçalves

    15 15UTC junho 15UTC 2015 at 20:42

    Olá, Danilo
    Acho este um tema muito polêmico, pois vivemos na era da comunicação e da imagem, fica difícil conviver em sociedade e não ser telespectador. Eu sou formada em Comunicação Social, com especialidade em Rádio e TV, e nas aulas de teoria da comunicação encontramos autores que defendem que “o meio é a mensagem”, ou seja, a TV é boa ou má em si mesma, e outros autores que dizem que o conteúdo é que vai definir se o meio de comunicação é bom ou mau. Eu, particularmente, penso que a TV não é má em si e acho que nem você pensa isso, pois a própria Canção Nova possui um canal de TV onde veicula conteúdo de alta qualidade. Na nossa Constituição, há a indicação de que todos os canais de TV tem por obrigação produzir conteúdo de qualidade, educativo e que promova valores. É uma pena que a Constituição neste aspecto não seja seguida, mas temos que lutar para que haja órgãos que regulem a QUALIDADE da programação televisiva. Há alguns anos, um deputado federal (não me lembro o nome dele) tinha uma campanha pelo “fim da baixaria na TV”. Com o passar dos anos, isso foi esquecido.
    Enfim, o que eu gostaria de dizer, como profissional do ramo e católica, é que não se pode generalizar. Há, sim, muito programa lixo, que só traz degradação da pessoa humana e não promove nada de bom. Mas a televisão brasileira já produziu e produz muita coisa boa. Mesmo novelas. Exemplo: a novela “Lado a Lado”, que ganhou o Emmy de melhor novela do mundo, tratava do Brasil pós-abolição da escravatura e a amizade entre uma moça da alta sociedade e outra filha de ex-escravos. Outro exemplos: programas infantis da TV Cultura, de altíssima qualidade, também premiados no mundo inteiro.

     

Deixe aqui o seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: